Localização

Bem-vindo ao Universo Fnac! Para que sua experiência seja a melhor possível, defina sua localização:

Entrevista

É namoro e amizade!

Jair Oliveira e Tania Khalill: 15 anos de amor e aprendizado constante

Entrevista

É namoro e amizade!

jenniffer.hoche • 31 de maio de 2016 • 15h33

Juntos há 15 anos, dez deles casados, Jair Oliveira e Tania Khalil formam o tipo de relacionamento que todo mundo sonha: duradouro, de amor verdadeiro, respeito e amizade. Juntos eles tocam não só a vida, mas importantes projetos profissionais como o ‘Grandes Pequeninos’, que já rendeu livro infantil com CD, peça teatral, site e página no YouTube. Durante um ensaio, feito com exclusividade para a Universo Fnac, o casal mostrou que mesmo depois do tempo que estão juntos ainda mantém todos os sentimentos que fizeram com que decidissem começar uma relação e uma família e mostram que nem tudo é perfeito, mas que a maneira como lidam com as diferenças um do outro é que faz com que o amor permaneça intacto.

Fotos: Gustavo Arrais

Stylist: Adriana Fares

Beleza: Edu Hyde e Guto Abreu

Produtora: Dani Bassit

Capa_Revista_Fnac_Tania_Jair_2461

Você não é igual a mim
E eu não sou igual a você
Mas nada disso importa
Pois a gente se gosta
E é sempre assim que deve ser’

Normal é Ser Diferente
Grandes Pequeninos, por Jair Oliveira

2+2= ♥

Dois motivos para começar a namorá-la (o), há 15 anos:

Jair Oliveira: Lindo sorriso com covinhas e o brilho no olhar hipnotizante.
Tania Khalill: A música, antes de tudo, e sua elegância.

Duas coisas que fizeram com que você se apaixonasse por ela (e):

JO: Retidão de caráter e sua beleza encantadora.
TK: Mais uma vez a música. Me apaixonei assistindo a um show dele com uma amiga. Quando o vi no palco rolou aquele sininho: ‘plin’. Foi de uma maneira difícil até de explicar. Pouco depois ele ainda fez uma música pra mim, ‘Bom dia, Anjo’, que me fez ficar ainda mais apaixonada. E ainda tem mais um motivo (risos), que foi ele sempre me dar espaço, sem pressões, permitindo que as coisas acontecessem num espaço de tempo e ciclo naturais.

Duas palavras que definam a sua história com ela (e):

JO: Amor e cumplicidade (nos momentos fáceis e difíceis).

Duas características que você admira nela (e):

JO: Dedicação às coisas que ama (trabalho e família especialmente) e a busca constante por aprimoramento pessoal, espiritual e profissional.
TK: Companheirismo e força. Ele é uma força brutal em minha vida. Admiro muito nele o respeito que tem pela vida, pelas pessoas. Jair nunca atropela ninguém, trata a todos com carinho e respeito. Tudo isso, além da poesia que ele coloca nas coisas, são as características que mais admiro.

Duas palavras que definam o amor:

JO: A primeira é a compreensão, pois o amor demanda com frequência que você entenda e abrace verdades que não são suas – o amor verdadeiro é compreensivo e respeitoso. A segunda é o carinho: a relação amorosa necessita de cuidados carinhosos constantes. É no toque, nas palavras e nas atitudes que o carinho expressa o amor com todas as suas obviedades imprescindíveis e belezas apaixonantes.
TK: Liberdade e companheirismo. É o que mais espero de um amor: que me deixe ser livre e que meu amor seja livre, sem amarras. E companheirismo, porque o amor sem ele não consegue ir muito adiante. São duas coisas que precisam caminhar juntas.

Duas palavras que definam família:

JO: Amor: a semente de tudo que rege nossa relação familiar. Aprendizado: ensinamos e aprendemos juntos e diariamente sobre o real significado de família para nós.
TK: É a minha vida. É o que sempre sonhei. Meu trabalho sempre foi uma coisa violenta e forte, a relação com meu trabalho. E depois que fui mãe e construí a minha família, vejo que a dimensão da minha vida tomou outro rumo. Então eles são minha vida, minha estrutura.

Dois motivos para estarem juntos:

JO: Nos amamos intensamente e reconhecemos que não somos perfeitos e, com isso, criamos condições perfeitas para o respeito mútuo.
TK: Ainda é minha paixão pra ele, o primeiro motivo e o que nos mantém juntos. O segundo é a trajetória de aprendizado que a gente decidiu intuitivamente traçar juntos – e estamos traçando.

Dois momentos para recordar:

JO: Nascimento de Isabela e o nascimento de Laura.
TK: O dia em que a gente se conheceu. Esse dia foi muito especial. Outro momento foi quando ele estava no Japão em turnê e fui com ele e descobri lá que estava grávida, com um teste de gravidez em japonês. Isso é inesquecível.

Dois destinos onde estiveram:

JO: Os dois melhores destinos em nossa relação: ela em meu coração e eu no coração dela.
TK: Japão e Nova York, onde já fomos algumas vezes pra estudar, pra passar um tempo só a gente e depois com as crianças, todos pra estudar, e pra onde a gente pretende voltar a estudar teatro, dança e o Jair fotografia, que agora é uma grande paixão na vida dele.

Duas lições que o relacionamento proporcionou:

JO: ‘Nunca é sempre fácil. O amor prossegue intacto’. Dois trechos da canção “Intacto”, que compus para ela em 2005.
TK: Ter compaixão. Pra conviver temos que ter compaixão pelo estado de humor, pelas ambições, pelas dificuldades do outro. Não tem como caminhar junto sem ter compaixão, por mais diferente que seja da sua opinião, a compaixão pelo outro é fundamental – numa permanência né, de um casamento, de uma relação de carinho e respeito. Outra lição é de querer o bem do outro além da permanência do outro ao seu lado. É querer que o outro voe, se realize, seja feliz.

Duas histórias para contar para as filhas:

JO: Como é bom saber respeitar a realidade do outro e a música está na alma de nossa família – e na alegria do “vovô sorriso”.
TK: Uma que conto sempre pra Isa, que é essa história do teste de gravidez em japonês. Fiquei esperando o Jair chegar do show pra gente ler aquilo na internet. E com a Laurinha sempre conto o dia em que ela nasceu, que foi antes do tempo e no meio do carnaval – e foi tão especial. Essas histórias relacionadas ao nascimento são histórias que gosto de ouvir minha mãe contar até hoje porque é o dia mais especial pra qualquer mãe e pai do mundo. Acho que a gente conta com tanto amor que as crianças adoram ouvir.

Dois motivos para ter mais filhos com ela (e):

JO: Ela é uma mãe incrível e teríamos mais luz para nossas vidas.
TK: Meu amor é tão gigante, então eu teria mais 15 – se eu tivesse tempo (risos). E condições, mas isso a gente corre atrás.

Dois trabalhos dela (e) do qual você mais se orgulha:

JO: Orgulho-me sempre do atual, no caso é a peça “Jogo Aberto” em cartaz no Teatro Folha SP. Mas sou fã de seu papel na novela “Senhora do Destino”, que foi o primeiro com grande repercussão, responsabilidade e competência.
TK: Amo de paixão o filme que ele fez, ‘Os Desafinados’ (2008). Acho de uma qualidade de atuação, de entrega, de respeito pela minha arte, que ele faz com uma qualidade de quem é um velho praticante. É difícil dizer dois, pois adoro todos, mas me apaixonei por ele com o CD dele, o Disritmia (2000). Nos trabalhos seguintes ele só foi melhorando, mas por esse tenho um carinho grande. Ele era tão jovem e fazer um trabalho como esse com uma qualidade tão absurda me marcou muito.

Dois motivos para namorá-la (o) há 15 anos:

JO: Os mesmos que definem nossa história com ela: amor e cumplicidade.
TK: Ser meu melhor amigo e topar todas as minhas maluquices.

Dois motivos para namorá-la (o) por mais 15 anos:

JO: Todos os motivos que já descobrimos. Todos os que ainda descobriremos.
TK: Acreditar que ele vai continuar sendo meu melhor amigo. Você ainda vai fazer muita música pra mim – e acalantar minhas carências e minhas loucuras femininas.

Capa_Revista_Fnac_Tania_Jair_2385

Por Jenniffer Hoche