Localização

Bem-vindo ao Universo Fnac! Para que sua experiência seja a melhor possível, defina sua localização:

Entrevista

Entrevista: Casuarina

Veja entrevista exclusiva com o Casuarina, grupo de samba com 10 anos de estrada que lança o seu quarto álbum, Trilhos e Terra Firme.

Entrevista

Entrevista: Casuarina

jenniffer.hoche • 18 de novembro de 2011 • 16h28

A Fnac entrevista o Casuarina, grupo de samba com 10 anos de estrada que lança o seu quarto álbum Trilhos e Terra Firme. Formado por Daniel Montes (violão de 7 cordas), Gabriel Azevedo (pandeiro e voz), João Cavalcanti (tantan e voz), João Fernando (bandolim e vocais) e Rafael Freire (cavaquinho e vocais), o Casuarina projetou-se a partir da Lapa carioca para todo o Brasil e, também, para outros países, como Bélgica, Eslovênia, Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Israel, Suécia e Angola, locais em que se apresentou em suas  cinco turnês internacionais.

Blog Fnac: Como surgiu o Casuarina?

Casuarina: O Casuarina surgiu em 2001 (estamos completando 10 anos de carreira). Na época, tocávamos em outras bandas e coincidentemente calhou de estarmos todos fazendo o TEPEM (curso de extensão em teoria musical). No fim de cada período os alunos apresentavam um número musical e, na época, estávamos freqüentando bastante as noites de samba na Lapa. Então, decidimos apresentar um número de samba e foi, então, que tudo começou.

BF: Quais as influenciais musicais que fizeram do Casuarina o que ele é hoje?

C: Além de todas as influências do samba, cada integrante traz na bagagem suas influências individuais e isso com certeza transparece no som do grupo através dos arranjos que fogem um pouco do óbvio. Então, acho que isso tudo contribui pro som do Casuarina.

BF: O grupo cresceu muito nos últimos anos e agora lança seu novo CD. Vocês poderiam contar um pouco sobre esse novo álbum e o que ele tem de diferente dos outros?

C: Esse é o nosso 4º CD, mas é o primeiro inteiramente autoral. As 14 faixas foram compostas por pelo menos um dos integrantes da banda. De certa forma, as letras têm um tom íntimo e confessional. Além disso, ao contrário dos álbuns anteriores quando chegávamos no estúdio com todos os arranjos prontos, nesse trabalho as músicas foram sendo construídas ao longo do processo de gravação, ou seja, o processo foi bem diferente.

BF: Como vocês se sentem hoje em dia com esse sucesso que o grupo faz?

C: Sinceramente, não paramos muito pra pensar nisso, mas quando fazemos um show numa praça nova onde nunca tocamos antes e o público canta junto todas as músicas é realmente muito gratificante, sinal de que estamos fazendo a coisa certa. Além disso, recebemos muitas mensagens de todo o Brasil, o que nos deixa muito felizes.

BF: O que os fãs podem esperar do grupo para o futuro?

C: Estamos iniciando a turnê do novo CD e a idéia é levar o show pra todo o Brasil. Os fãs sempre pedem pra irmos tocar em suas cidades, então temos a intenção de tocar principalmente nas cidades onde ainda não fomos.

BF: Algum sonho para o futuro do grupo? Festival onde gostariam de tocar, turnê, show?

C: Na verdade, o que estamos vivendo agora é meio que um sonho. Lá no início, nós não imaginávamos que o trabalho tomasse esse vulto. Então cada coisa nova que descobrimos é mais um capítulo desse sonho que estamos vivendo.

BF: Algum recado para os fãs e para alguém que está entrando no mundo musical?

C: Por mais que seja um clichê, acho que o principal é acreditar no que você faz e trabalhar bastante! As coisas não caem do céu!russian english translator24option bankingistanbul ebonyoption traderвакансії юриста київпочтаправославная церковь возрождения