Localização

Bem-vindo ao Universo Fnac! Para que sua experiência seja a melhor possível, defina sua localização:

Fotografia

Fotografia da virada

Com uma câmera mais simples, uma semiprofissional, as de primeira linha ou mesmo um celular, é possível ter registros inesquecíveis para a posteridade. Confira nossas dicas

Fotografia

Fotografia da virada

jenniffer.hoche • 15 de dezembro de 2016 • 09h50

2016 terminando, as festas de final de ano chegando, e neste momento o desejo de fotografar acontece ainda mais intensamente em que gosta ou não dessa arte. Quem nunca sentiu vontade de registrar a beleza do Natal e Ano Novo, os jantares, as viagens, os amigos, a família, os filhos – humanos ou não, tudo aquilo que servirá como forma de recordação de um momento especial.

 

Para ajudar você a fazer os melhores cliques nessa época, conversamos com Glauco Tavares, Fotógrafo especialista em Fotografia de Rua, que tem muita experiência na construção de imagens espontâneas que dizem muito. Para ele, são necessários três elementos para se ter boas fotos: “Olhar, senso de composição e qualquer equipamento na mão”. Ou seja, Glauco garante que você não precisa de uma grande câmera para ter a melhor lembrança das festas. Com uma câmera mais simples, uma semiprofissional, as de primeira linha ou mesmo um celular, é possível ter registros inesquecíveis para a posteridade. Confira as dicas dele:

 

DICAS DO GLAUCO

FOTOGRAFIA DE PAISAGENS DURANTE AS VIAGENS

Observe muito antes de fotografar. Evite colocar a linha do horizonte no meio da imagem. Lembre-se de que você precisa de algo para orientar a sua foto. Seja o céu, a terra ou o mar, deixe que algo se destaque, mas não foque no óbvio, como o horizonte. Por exemplo: se quer fotografar uma praia e quer destacar a areia e o mar, deixe mais areia e mar na foto e menos céu, ou o inverso. Assim, já estará aplicando uma das regras de composição e dando uma repaginada na forma de clicar.

E mais: quando estiver fotografando um lugar com muita diferença de luz, com mais iluminação em alguns lugares e pouca em outros na mesma cena, procure ativar o “HDR” do seu celular ou câmera. Essa ativação faz com que o próprio equipamento equilibre as altas e baixas luzes deixando toda a cena, relativamente, bem exposta. É muito simples!

 

FOTOGRAFIA NOTURNA, COM POUCA LUZ

Já aconteceu com você de clicar uma foto e ela sair toda tremida? Pois é, acontece com você, comigo e com 100% das pessoas que conheço, então, fique tranquilo! O motivo é simples: há pouca luz no ambiente que quer registrar.

Isso pode ser resolvido de duas formas: aumentando a quantidade de luz no ambiente, o que nem sempre é possível, ou usando um tripé. O mais importante é manter a estabilidade do equipamento, pois a foto treme pelo fato do equipamento aumentar a velocidade do obturador, ou seja, ele fica mais tempo aberto para a passagem da luz, deixando a câmera mais lenta. Isso faz com que a luz demore mais tempo para chegar ao sensor e completar a imagem, assim, qualquer tremida no equipamento é suficiente para borrar a imagem. Usando um tripé o equipamento ficará firme, já a imagem poderá tremer se algo que tenha luz em sua cena se mover, como um carro por exemplo. Nesse caso ficará como um risco de luz em sua imagem ou borrada, mas não será culpa da sua tremida. Já no caso de câmeras digitais, ou de usar aplicativos de celular que lhe permita alterar o ISO, é possível subir o ISO do equipamento e isso fará com que o sensor fique mais sensível à luz, o obturador menos tempo aberto, levando iluminação ao sensor mais rápidamente, o que evitará a sensação de imagem tremida. Experimente!

 

FOTOGRAFIA DE FOGOS DE ARTIFÍCIO

Há duas formas possíveis para fazer um bom registro de fogos de artifício: congelando a cena ou ‘arrastando’ as luzes e criando um estilo de foto mais artístico. No caso de querer congelar a cena, podemos falar de um ajuste para os que tem um pouco mais de conhecimento sobre o equipamento, como deixar a velocidade do obturador mais rápido que a velocidade das luzes dos fogos e, também, aumentar o ISO. Assim, as luzes dos fogos sairão congeladas. Caso queira arrastar a cena, basta fazer o contrário, deixar a velocidade do obturador mais lenta que a velocidade das luzes dos fogos. O que pode também ser útil, é utilizar um aplicativo chamado Slow Shutter. Ele é próprio para ambientes com pouca luz ou imagens com rastro de luz. Baixe e faça alguns testes!

 

LEMBRE-SE SEMPRE: MENOS É MAIS!

Talvez a informação mais útil de todas: preocupe-se em mostrar o essencial e deixar de lado o que pode atrapalhar a foto. Digo isso para tudo que você for fotografar, desde uma cena pelas ruas, uma festa de final de ano, uma decoração que lhe chamou a atenção ou qualquer outra cena. Muitas vezes mostrar menos e deixar a curiosidade nos olhos de quem vê a foto é mais importante do que mostrar muita coisa e tornar aquela foto confusa ou com informações desnecessárias.

Por exemplo, no caso de uma foto de um prato delicioso, todo enfeitado, comum nas festas de final de ano: tente extrair um detalhe, um ângulo diferente desse prato que você queira mostrar, buscar algo que ninguém reparou. Tirar uma foto do prato em cima da mesa todo mundo tira, agora observar o detalhe naquela cena ou olhar de uma forma diferente, pouca gente faz. Por isso citei que o fundamental é ter um ‘bom olho’, seria esse um olho ‘fora da caixinha’, um olho que traz para o público uma novidade, uma nova forma de observar. Saia do comum!

 

NA HORA DA SELFIE

Não posso deixar de citar a famosa selfie, que feita com acessórios ou não, tem uma regra a ser seguida: não olhe para você na imagem da tela do celular. Olhe para a câmera! Isso vai ajudar você a ficar ‘bem na foto’. 

Por Jenniffer Hoche